Cabeçalho Ads


Lionel Messi Sem Vantagem no Mundial da Russia

Lionel Messi Sem Vantagem no Mundial da Russia
Messi, Aguero, Higuain, Dybala, Di Maria...tudo jogador de classe mundial, todos titulares nas grandes equipas da Europa. Juntos, não conseguem render na Seleção da Argentina. Não nesta Argentina de Jorge Sampaoli. A derrota por 3-0 frente a Croácia, na 2.ª jornada do Grupo D deixa os argentinos em 'maus lençóis', e a depender de terceiros para se apurar.
O homem que guiou o Chile uma vitória na Copa América frente a sua Argentina, que colocou Alexis Sanchéz, Arturo Vidal e companhia a 'comer' a relva e a jogar um futebol atrativo, é incapaz de repetir a fórmula no seu país. A Argentina só está no Mundial2018 graças ao génio de Messi, depois de uma fase de qualificação sofrível na zona sul-americana, onde só no derradeiro jogo, com um hat-trick do avançado do Barcelona, conseguiu um lugar nos 32.
Nos jogos de preparação continuou a desiludir, com exibições paupérrimas e decisões que desesperam os argentinos. A insistência em jogadores como Meza para a frente ou Lucas Bigglia no meio-campo deixam os argentinos com os nervos em franja. As constantes mudanças táticas, entre o 3-4-3, o 4-3-3 e o 4-4-2 de nada trouxeram ao jogo da seleção das Pampas. E em dois jogos no Mundial2018, a Argentina não conseguiu apresentar algo que capaz de levar a crítica a coloca-los no lote de favoritos. Porque ter Messi não chega.
Depois do empate frente a Islândia na jornada inaugural, esperava-se uma resposta, a nível exibicional, frente a Croácia, equipa que chegou a este jogo com três pontos, mas tudo foi pior. A equipa depende muito do que Messi pode fazer e o astro não consegue ligar-se com a restante equipa como faz no Barcelona. Quando Messi tem bola, há poucas linhas de passe, não há movimentos de penetração nas costas da defensiva contrária,... nada. E sozinho, Messi não joga.
A Croácia, guiado por Rakitic e Modric (fez um jogão) e mais tranquilo no terreno, conseguiu anular, sem muitas dificuldades, o perigo argentino. E na frente, Pesiric, Mandzukic e Rebic iam deixando a defensiva 'albiceleste' aos papeis.
Sampaoli até tentou agitar as águas, atuando agora em 3-4-3, com Acuña e Salvio nas alas e Enzo Perez no meio.
Cabalero evitou o primeiro aos cinco minutos numa boa defesa a remate de Perisic. Aos 30 é Enzo Perez a ter a melhor oportunidade do primeiro tempo para a Argentina mas o seu remate, após desentendimento entre Lovren eSubasic, saiu ao lado. A primeira parte ficava assim resumido, com a Argentina a ter mais bola e a Croácia mais perigosa em transições rápidas.
No segundo tempo chegou o descalabro. Aos 53 minutos, Ante Rebic pressionou Cabalero, o guarda-redes argentino tentou passar a bola por cima do atacante croata mas acabou por deixar a bola em boa medida para um remate de primeira de Rebic, para desespero dos argentinos. Sampaoli batia palmas, tentava incentivar a equipa mas estava aí a primeira 'marretada' numa noite que seria de pesadelo no Estádio de Nizhny Novgorod.
Sampaoli teve de mexar. Lançou Higuain para o lugar de Aguero, um dos melhores, fez entrar ainda Dybala e Pavón para os lugares de Salvio e Enzo Pérez mas não havia ideias em campo. Do outro lado, a classe era tanta que até arrepiava. Rakitic mas principalmente Modric impunham a sua lei no miolo, Perisic e Mandzukic davam continuidade às jogadas dos craques de Barcelona e Real Madrid, respetivamente.
A Argentina, de rastos, sem ideias, criou a situação de perigo aos 64 minutos, numa das poucas jogadas de envolvimento atacante. Higuaín foi lançado por Messi, centrou, Mezza rematou contra Subasic, Messi tentou a recarga mas a bola bateu de novo no guarda-redes croata e saiu para fora. 'Morria' aí o ataque da Argentina e entrava em cena as estrelas da Croácia.
Aos 81 minutos, Luca Modric fez levantar o Estádio de Nizhny Novgorod com um dos melhores golos do torneio. Recebeu à entrada da área, bailou sobre Otamendi antes de disparar uma 'bomba', colocada, junto ao poste esquerdo de Cabalero. Que golaço! Aos 86 Rakitic viu a trave devolver-lhe um remate que levava selo de golo mas o craque do Barcelona fechou a contagem aos 90, num lance de contra-ataque onde apareceram três croatas em situação de finalização.
A Argentina fica torcer por uma derrota da Islândia frente a Nigéria para depois golear os africanos na derradeira jornada. Ou então um empate entre ambos desde que na 3.ª ronda os islandeses percam com a Croácia e a Argentina vença a Nigéria. Muitas contas para fazer.